23/02/10

JOSUÉ: UM DISCÍPULO QUE DEU CERTO


Josué acompanhava Moisés já há bastante tempo. Moisés aprenderá a confiar  em Josué e este estava dentre os homens escolhidos para julgar o povo no deserto de Refidim. É  interessante notar que Josué, no capítulo 17 de Êxodo, desempenha uma função que somente alguém de muita confiança poderia fazer:


“Então veio Amaleque e pelejou contra Israel em Refidim. Pelo que Moisés disse a Josué: Escolhe –nos homens, e sai, e peleja contra Amaleque; amanhã eu estarei no cume do outeiro e a vara Deus estará na minha mão. E Josué fez como Moisés lhe dissera, pelejando contra    Amaleque, mas Moisés, Arão e Hur subiram ao cume do outeiro.” (Êxodo 17: 8 – 10).
Percebemos por esse texto que Moisés tinha muita confiança em Josué. Ele o entregou nas mãos uma batalha porque sabia que ele era capaz. Porém, apesar de Moisés ter subido ao cume do outeiro, ele não deixou seus discípulo sozinho:
“ E acontecia que quando Moisés levantava a sua mão, Israel prevalecia; mas quando ele abaixava a sua mão, Amaleque prevalecia.” (Êxodo 17:11)

Muitos discípuladores não são como Moisés. Ele sabia que seu discípulo estava pronto para vencer a batalha conta os Amalequitas, mas não o deixou sozinho. Ajudou-o em oração. Não podemos deixar nossos discípulos, mesmo quando eles já estão amadurecidos, precisamos estar sempre com eles. Isso é um princípio na Visão Celular no Modelo dos Doze: o discipulado não acaba nunca, ele é contínuo e perpétuo, por isso a Visão Celular só funciona com homens e mulheres que estejam dispostos a trabalhar e produzir.
Talvez Josué tivesse sido pego de surpresa com a ordem de Moisés. Liderar o povo numa batalha não era algo fácil, mas ele tinha confiança em seu líder. Ele sabia que Moisés era um homem de Deus e não o meteria numa furada. Isso mostra uma outra realidade do discipulado: Josué só deu ouvidos a tudo o que Moisés lhe disse porque confiava nele. Eles tinham relacionamento. Havia diálogo e confiança mútuos entre esses dois grandes homens.

Esse relacionamento era tão profundo que no versículo 13 do capítulo 24 de Êxodo, Josué é chamado “servo de Moisés”. Isso é discipulado. Quando existe relacionamento verdadeiro no discipulado, o discípulo tem prazer em servir ao seu líder. Faz isso com ligeireza de coração e não com amargura.
No capítulo 32 do mesmo livro, mais uma vez temos o relato da aproximação e do relacionamento verdadeiro de Moisés com Josué:

“E, ouvindo Josué a voz do povo que jubilava, disse a Moisés: Alarido de guerra há no arraial”. (Êxodo 32:17)

         Na seqüência da história desse discípulo de excelência vimos que ele aprendeu tão bem com seus discipulador que ocupou o seu lugar, depois de sua morte.

Quando Deus chama Josué a liderar o povo para passar o Jordão, Ele sabia o que estava fazendo.

Alguns discípulos querem trocar os pés pelas mãos. Querem ultrapassar etapas, sem completar o processo. Deus daria a Josué a responsabilidade de passar o Jordão, se ele não tivesse sido um bom discípulo, isto é, aprendido todas as táticas com Moisés.

No capítulo 1 de Josué, vimos que ele estava abatido por causa da morte de seu líder. Ele amava o seu discipulador, Por essa razão lemos nos versículos 6 e 7:

“Esforça-te e tem bom ânimo, porque tu farás a este povo herdar a terra que jurei a seus pais lhes daria. Tão-somente, esforça-te e tem mui bom ânimo para teres o cuidado de fazer conforme toda a lei que meu servo Moisés te ordenou; dela não te desvies, nem para a direita e nem para a esquerda, para que prudentemente te conduzas por onde quer que andares.”

Nesses versículos vemos Deus falando com o discípulo de excelência. Podemos ver que Moisés cumpriu muito bem o seu papel de discipulador, tanto que o próprio Deus reconhece que os ensinamentos de Moisés estavam de acordo com a sua lei.
Quando leio esse versículo e vejo a expressão “tende bom ânimo” começo a pensar porque Deus, por duas vezes, disse a Josué que ele tivesse bom ânimo. Caminhando pela Bíblia, podemos perceber que essas mesmas palavras foram usadas por Jesus quando se referia aos seus discípulos.

“Tenho-vos dito isso, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.” (JOÃO 16:33).
Quando lemos esse versículo, perguntamo-nos: O que Jesus havia dito a seus discípulos? Ou a que coisas ele se refere nesse versículo.

Voltando à Bíblia, podemos ver que “as últimas instruções de Jesus aos seus discípulos” começam  no capítulo 13, a partir do versículo 31.

Logo depois de Jesus ter predito que Judas o trairia, ele começa a ensinar aos seus discípulos (aos onze) o que aconteceria depois daquele momento.

Jesus começa dando uma palavra de carinho aos seus discípulos. Ele os chama de “filhinhos” e começa a se despedir. Era como se Jesus estivesse próximo de fazer uma grande viagem e desse todas as coordenadas aos seus amigos, companheiros, pessoas que estiveram com ele todo o tempo. Assim, ele fala do seu amor por seus discípulos e os ensina a amar. Ao falar de amor, o Discipulador Supremo estava afirmando que o discipulado exige amor. Se você não amar aos seus discípulos, muito dificilmente você conseguirá influenciá-los a fazer alguma coisa que parta de você. Yeshua sabia que eles precisavam ouvi-lo dizer que eles eram importantes para ele. Aqueles homens haviam estado com Ele por mais de 3 anos e ele estava por deixá-los. Ele sentir-se-iam abandonados e isso um discipulador não pode permitir. Jesus tinha a compreensão do que ele significava na vida de seus discípulos, por isso ele precisava passar um tempo a sós com seus amigos , com seus amados, ouvi-los, orientá-los. Jesus também devia estar triste, Afinal, ele tinha um relacionamento com sues discípulos, mas ele também sabia que tinha de terminar a sua missão. Isso nos ensina algo muito precioso: Mesmo que amemos nossos discípulos, chega um momento em que eles precisam voar mais alto. Lembro-me que uma vez estava lendo o livro “Abecedário das células” do Apóstolo René Terra Nova, líder do Ministério Internacional da Restauração (MIR), e ele dizia que é muito comum os discípuladores se apegarem tanto a seus discípulos que na hora de a célula fazer a multiplicação eles não conseguem se liberar da ligação que tem. Mas Jesus também passou por esse problema e teve uma solução muito simples: ele valorizou mais a sua missão e visão, valorizou mais o Reino e a Vontade do Pai do que a sua. Jesus anulou a sua vontade para cumprir a Missão que o Pai o havia outorgado.  Por isso, querido leitor, quando você tiver de fazer a multiplicação de sua célula, entenda que você não está perdendo um discípulo, mas está ampliando a sua influência.

No versículo 35, do mesmo capítulo, Jesus afirma:

“Nisto conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros

O que Jesus estava dizendo aqui é que as pessoas reconhecem quem são os discipuladores pelo caráter dos discípulos. O caráter de Jesus era o amor, por isso o mundo conheceria que aqueles homens haviam aprendido com o Mestre, se eles também desenvolvessem esse caráter.

Enquanto escrevo isso, me vem uma pergunta à cabeça: Como estamos sendo discipuladores? Que caráter estamos imprimindo em nossos discípulos? O que temos ensinado aos que estão sob a nossa liderança? Precisamos refletir sobre isso. Como queremos ser conhecidos no mundo? O que os nossos discípulos levarão ao mundo?

O Apóstolo Paulo disse:

“Sede meus imitadores, como também eu, de Cristo” (I Coríntios 11:1).

Se você, discipulador, tiver o caráter de Cristo impresso na sua vida, certamente, passará isso aos seus discípulos, mas se você tiver um caráter mau, existe uma grande possibilidade de seus discípulos seram iguais a você.

Numa das conversas de Jesus com seus Onze, percebemos algo interessante:

“Disse-lhe Simão Pedro:
 - Senhor, para onde vais?
Jesus lhe respondeu:
- Para onde eu vou não podes, agora, seguir-me, mas, depois, me seguirás.
Disse-lhe Pedro:
- Por que não posso seguir-te agora? Por ti daria a minha vida.
Respondeu-lhe Jesus:
 - Tu darás a tua vida por mim? Na verdade, na verdade te digo que não cantará o galo, enquanto não me tiveres negado três vezes.” (João 13:36- 38)

Lendo essa passagem, temos a impressão de que Jesus se irritou com a postura de Pedro. Mas ele não fez isso. Quando ele perguntou se Pedro realmente daria a vida por ele, estava querendo mostrar que ele conhecia seus discípulos. Jesus sabia os limites de Pedro. Sabia que quando a chapa ficasse quente, ele o negaria.

Isso em traz à memória um ensinamento muito profundo: precisamos conhecer os nossos discípulos e só há uma forma de fazermos isso: nos relacionando com eles.

Seguem algumas dicas para você desenvolver um relacionamento com seus discípulos:



1.      Seja amigo deles.

 Demonstre interesse por cada um dos seus discípulos. Lembre –se que amigo não aquele que passa sempre a mão por sua cabeça, mas aquele que valoriza os seus pontos fortes sem esquecer dos seus pontos fortes.

2. Converse com seus discípulos assuntos da vida secular.

Alguns discipuladores pensam que só tem a responsabilidade de ensinar a Bíblia para os seus discípulos e aí cometem um grave erro. O discipulador também precisa conhecer as necessidades humanas dos seus discípulos. Precisa saber os problemas deles, as carências que têm. Para fazer isso, você precisa ter um bom relacionamento com as pessoas a que influencia, caso contrário eles não confiarão em você.

3. Converse com seus discípulos sobre os seus problemas pessoais:

Muita gente acha que o líder ou o discipulador não pode demonstrar seus pontos fracos. Isso não é verdade. Seus discípulos só aprenderão a confiar em você, se você não  confiar neles.

Quando Jesus estava no Jardim Getsêmani, ele desabafou com seus discípulos. Ele estava amargurado, o momento de sua morte estava se aproximando. Ele olhava os seus discípulos e não queria deixá-los, mas não tinha outra opção.
“Então, chegou Jesus com eles s um lugar chamado Getsêmani e disse a seus discípulos: Assentai-vos aqui, enquanto vou além orar. E, levando consigo Pedro e os dois filhos de Zebedeu, começou a entrsitecer e a angustiar-se muito. Então, lhes disse: “A minha alma está cheia de tristeza até a morte, ficai e aqui e vigiai comigo.” (Mateus 26:38)

4. Convide –os para um encontro na sua casa.

A nossa casa é o lugar onde realmente somos nós. Na nossa casa temos autoridade, revelamos nossa verdadeira personalidade. A fim de  desenvolver um relacionamento verdadeiro com seus dioscípulos, deixe que eles conheçam como você age em casa, com esposa, filhos, pai, mãe, irmãos etc. Isso dará a eles a possibilidade de ver que podem confiar em você.

5. Diga a verdade, sem rodeios.

Alguns discipuladores escondem algumas verdades dos seus discípulos porque têm medo de perdê-los. Certa vez, um discípulo meu me perguntou quais os seus piores defeitos. À princípio, fiquei meio desconfortado, mas, afinal, percebi que ele queria mesmo saber como eu o via. Por isso, antes de destacar seus três defeitos mais visíveis, tratei de descatar as suas três qualidades mais admiráveis por mim. No final eu fui sincero com ele e disse exatamente o que pensava. Tenho certeza de que desse dia em diante, nosso relacionamento nunca mais foi o mesmo. Aprendemos a confiar mais um no outro e quando estávamos com problemas, dividíamos tudo, sem vergonha e sem receio.

Nenhum comentário:

Voê frequenta a Escla Bíblica de sua Igreja?

Você acredita que Jesus vai voltar?

O Rio de Janeiro é:

É verdade que pelo PL 122 um pastor não poderá se recusar a fazer um casamento homossexual?

Você vai à MARCHA PARA JESUS NO RIO DIA 4 DE JUNHO?

Você gostaria de estudar com um material didático 100% cristão?

Ads 468x60px

Featured Posts

http://servolider.blogspot.com/2011/08/discipulado-cristao-chave-para-explosao.html
http://i53.tinypic.com/28717qw.jpg

Pesquise

Carregando...

Copyright Text